Você sabe quanto vale seu patrimônio oculto?

Não há um método único para se avaliar uma empresa, pois não se trata de uma ciência exata, de comprovações absolutas. “Não há como prescindir de certa dose de subjetividade na definição de valor intangível uma vez que, é difícil sua mensuração: os colaboradores, a carteira de clientes, a liderança, o sistema de gestão, as alianças estratégicas, a competitividade de mercado etc.

Embora esse cenário tenha mudado em passos vagarosos, ainda existem empresários que acreditam, cultivam a crença que investir em capacitação de sua equipe é um custo desnecessário, que estamos vivendo um momento de

contenção de despesas, é preciso economizar! Quanta ignorância!!

Agora mais do que nunca é o momento de investir em capacitação de pessoal, deixar a equipe preparada para atender bem e atender cada vez melhor aquele que também faz parte do patrimônio oculto: os clientes.

Algo que ouvimos muito quando estamos diante de empresários, “está bem, vou capacitar meus colaboradores, invisto muito nele e ele simplesmente vai trabalhar no meu concorrente”…aí te pergunto e se você não o capacitar e ele continuar atendendo seus clientes da mesma maneira como vem atendendo? Sem dúvida que irá comprometer o resultado fim que toda empresa busca: lucro. O que você prefere, ter um funcionário preparado para atender seus clientes ou um funcionário fazendo o que parece quase o impossível uma desvenda?

São muitas as variáveis envolvendo o patrimônio oculto no que se refere a pessoas, o mercado não perdoa mais erros primários, sendo assim preste atenção no que vem a seguir:

Vamos começar pelo capital humano, apesar de ser um capital de difícil mensuração, podemos afirmar que representa o ativo mais rentável às organizações e sem o qual nenhuma empresa alcançaria o sucesso.

É claro, que vale a pena investir nele. A questão é saber como. Como todo bom investimento, é preciso procurar conhecer e avaliar bem um funcionário antes de trazê-lo para a organização. E o trabalho não para por aí. É necessário, além de contratar uma pessoa certa, colocá-la para desempenhar a função adequada para suas competências, mantê-la na empresa, remunerá-la a contento, desenvolvê-la continuamente e monitorá-la. Também é essencial abrir-lhe espaço para que ela possa contribuir com sua criatividade e seus insights.

Pensar em lucro é premissa de existência de uma empresa; mas não finalidade absoluta. O lucro empresarial é imperativo e deve ser exigido das empresas; porém, deve ser entendido como meio, energia, combustível que permite à empresa atingir seus objetivos e sua missão.

Os clientes estão cada vez mais conscientes do seu poder de transformação na sociedade e começam a demandar mais responsabilidade das empresas no que se refere às questões sociais e ambientais. Para jogar o jogo de hoje, é preciso pensar além dos ganhos empresariais, é preciso avaliar o que a comunidade, a região, país e mesmo o mundo irão ganhar com o sucesso da empresa.

Em outras palavras, a capacidade de gerar riqueza de uma empresa, como agente econômico, passa a ser, cada vez mais, fundamentalmente dependente de sua aprovação social, obtida com seus processos de satisfação social, segundo nosso entendimento.

Isso quer dizer que, sem aprovação social, a capacidade comercial tende a ser comprometida.

Por fim, está mais do que na hora do patrimônio oculto começar a fazer sentido dentro das organizações, sabemos que sua mensuração não é simples, mas é a que tem condições de mensurar e de transformar resultados da empresa de forma crescente sem depreciá-los como ocorre nos patrimônios tangíveis.

Prospecção de Clientes Uma Forma Eficiente de Superar a Crise

Atualmente, tem sido muito comum ouvir os empresários se queixarem da queda nas vendas e a justificativa está sempre relacionada a crise econômica no país. As principais manchetes ressaltam a recessão cada vez mais presente o que de certa forma assusta toda a cadeia mercadológica, que perpassa pelas empresas até os consumidores finais.

De fato, os clientes estão mais seletivos, criteriosos e buscam sempre por mais informações acerca do produto antes de tomar a decisão de comprar, ou seja, tem muitas empresas que estão vendendo bastante e se superando em meio à escassez de recursos no mercado brasileiro. A pergunta é: Você se encaixa nessa fatia? Quais as estratégicas você vem utilizando?

Se você é aquele empresário que fica o dia todo atrás de uma mesa ou balcão esperando que o cliente entre pela porta da frete, ATENÇÃO, “sinal amarelo” talvez a  queda das vendas da sua empresa não seja a crise. Conheça e principalmente pratique uma das mais efetivas ferramentas na consolidação de um processo de venda: a PROSPECÇÃO.

Grandes especialistas de vendas afirmam que uma boa prospecção significa metade da venda, é isso mesmo, 50% da efetivação de uma etapa importante para a sua permanência no mercado competitivo está diretamente relacionado a capacidade que a sua empresa e/ou gestão comercial tem de identificar seus possíveis clientes potenciais e qualificá-los.

Confira os 4 passos que vão fazer a prospecção acontecer na sua empresa

  • Quem compra seu produto?

Conhecer o perfil das pessoas que mais consomem o seu produto é uma premissa fundamental para encontrar outros clientes.  A questão é simples, buscar um público que tenha pré-disposição para o que a sua empresa oferece é certamente mais assertivo do que oferecer esse mesmo item para pessoas de perfis diferentes.

Observe a sua carteira de clientes e selecione aqueles que compram mais, que falam bem da sua marca, que se sentem bem na sua loja. Escolha pelo menos 5 e compreenda o perfil desses clientes, os que eles tem em comum, quais são as suas características demográficas, geográficas, que problemas geralmente você resolve para esse cliente, entre outras. A partir dessa análise você vai conseguir descrever quem realmente consome seu produto e/ou serviço e terá claro seu cliente ideal.

  • Onde esse cliente ideal está?

Participe, esteja envolvido, frequente lugares que a sua marca apareça e gere credibilidade para esse cliente. Ele precisa ver sua empresa! Um dos grandes meios de comunicação e interação hoje são as redes sociais, o facebook,  por exemplo, conecta hoje cerca de 1 bilhão de usuários e é de fato um excelente canal de prospecção, além do instagram, Linkedin e tantas outras. Se atente também para os eventos do seu segmento, feiras e associações. E como dizia René Descartes, grande filósofo, físico e matemático: “Quem não é visto, não é lembrado.”

  • Conexão

Esteja sempre em contato com esse público. Mantenha um relacionamento harmonioso, onde ele se sinta a vontade para questionar, esclarecer dúvidas e principalmente conhecer mais da sua empresa. Você pode fazer isso através de e-mails informativos, curiosidades sobre o produto e/ou serviço, sempre de forma dinâmica e interativa. Essa ação viabiliza o fortalecimento da credibilidade e confiança além de contribuir para o fechamento de vendas futuras no médio e longo prazo.

  • Estabeleça metas

Tal como as metas de vendas é bem importante que se tenha claro uma meta de prospecção, de preferencia semanal. Quais clientes serão abordados, se por telefone, email ou pessoalmente. É importante que a empresa tenha claro que para cada 100 prospecções cerca de 30 clientes efetivam o pedido, ou seja, demanda muito trabalho para se conseguir ampliar o faturamento. Então… mão na massa!

A prospecção é só o começo e quando feita de maneira profissional e planejada, um grande passo estará dado em direção ao fechamento da venda! Espero que a partir de agora, o seu processo de prospecção de clientes seja mais dinâmico e eficiente.

Boas vendas!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Problemas pessoais fora da empresa é possível?

Estamos vivendo um período de competição predatória, dos avanços rápidos da tecnologia, do bombardeamento de informações, da necessidade constante de se reposicionar no mercado, é comum empresários e demais profissionais andarem em círculos, com enorme dificuldade para evoluir.

Queda de produtividade, conflitos na comunicação, baixa motivação e esgotamento cerebral estão em alta, aumento no desemprego, dificuldade em honrar pagamentos básicos do dia a dia e muitas outras frustações.

Diante esse imbróglio que nós mesmo criamos, é difícil admitirmos, mas nós mesmos criamos esses fantasmas que nos assombram e temos muita dificuldade de nos libertar. E isso vai nos levar a uma escassez emocional que é muito difícil de gerenciar.

Vamos ver se você já vivenciou ou conhece alguém que passa por tal situação:

– Casais que brigam a vida toda e não se separam?

– Pessoas intolerantes, acreditam que sabem tudo, sempre cometendo os mesmos erros?

– Pessoas tímidas que sonham em falar em público, expressando suas ideias em sem gaguejar;

– Pessoas que lidam mal com suas finanças, vivem reclamando que o salário é pouco e mal cobre suas despesas mensais, no entanto, continuam sendo consumistas irresponsáveis, sedentas pelo prazer imediato do consumo;

– Pessoas embora inteligentes e altruístas, vendem pessimamente suas imagens, não conseguem encantar seus colegas e principalmente as pessoas que mais amam?

– Pessoas que possuem todos os motivos para serem alegres, pois tem sucesso social, financeiro, acadêmico porém são extremamente infelizes, ansiosas e deprimidas?

– Pessoas que comandam com maestria suas casas e empresas, mas não conseguem orquestrar minimamente sua irritabilidade.

Depois de analisar cada uma das questões expostas acima eu te pergunto. É possível a dedicação de corpo e alma numa determinada tarefa sem levar tais problemas para o trabalho?  Ou vice-versa como não levar trabalho para casa?

Nossas mazelas estão em nossas mentes, precisamos gerenciar nossos pensamentos e nossos comportamentos diante a cada uma das situações.

Somos aquilo que continuamente pensamos e nossos pensamentos determinam nosso comportamento.

Sendo assim, não fomos educados para saber gerenciar nossas mentes e lidar com nossas emoções e sentimentos, embora hoje tenhamos conhecimento e exista recursos para isso.

Não podemos exigir um comportamento dos meus colaboradores que muitas vezes eu mesmo não consigo gerenciar.

Precisamos é de mais empatia dentro das organizações, compreender que somos seres humanos, possuímos emoções e sentimentos, na grande maioria das vezes a carga de emoções a ser administrada é muito pesada e faz-se necessário ser compartilhada para minimizar o peso a ser carregado.

Sabemos também que, vivemos num mundo extremamente capitalista onde as atenções estão voltadas para a rentabilidade e a lucratividade. Mas devemos nos lembrar que antes da rentabilidade e a lucratividade estão os RESULTADOS que somente alcançamos com pessoas comprometidas, focadas, motivadas e inconformadas positivamente e  isso somente conseguimos através da sinergia criada entre o que o funcionário está levando para contribuir positivamente no trabalho e como o trabalho contribui positivamente na vida pessoal do funcionário.

Agora te pergunto novamente tem como separar?