O mercado de trabalho pede competência

Tempos difíceis dirão alguns, instável dirão outros, desafiador, incerto e de “descontínuas mudanças”. Tudo isso vale quando nos referimos ao competitivo mercado de trabalho. A certeza que temos é que continuará assim, exigindo ainda mais de cada um de nós, quer que  seja profissional ,colaborador, empresário ou empreendedor. A certeza é que as mudanças continuarão a ocorrer e cada vez mais em maior velocidade. A  todo tempo “somos” convidados a rever nossas crenças – nossos paradigmas. Refletir até que é possível, mudar…bem isso é mais complicado. Segundo John Maynard Keynes, “a maior dificuldade não está em persuadir a pessoas a aceitar novas idéias, mas em persuadi-las a abandonar as antigas”.

Na nova economia o capital humano assume importância fundamental na criação de valor. Pesquisas recentes apontam que até 85% do valor das organizações se baseia em ativos intangíveis, onde as pessoas são o destaque.

Desde a década de  1990, o ambiente corporativo e cada profissional em particular tem tido a oportunidade de perceber e vivenciar as rápidas transformações globalizadas na economia mundial; abertura da economia brasileira, adoção de pacotes econômicos, inflação elevada, flutuação de preço da moeda brasileira, elevada carga tributária para pessoas e empresas,implantação do real, aumento do nível de desemprego, necessidade de atrair capital externo, privatizações, domínio econômico por grandes grupos empresarias e internacionais, fragilidade e inconstância de nossos partidos políticos, incentivo á adoção dos critérios de excelência empresarial, necessidade de agregar valor ao cliente, introdução de gestão por competência, evolução por competência,entre outras.

Diante dos fatos citados acima, seja profissional, empresário, empreendedor a questão é exige-se sim um maior cuidado quanto à sua preparação e formação profissional.

 Percepção de Valor

Essas mudanças exigem maior competência de seus protagonistas. Essa competência é por nós entendida como a capacidade de “nossos”            profissionais/empreendedores em  realizar / criar soluções de valor, que sejam percebidas pelo mercado que estará ou não disposto a desembolsar um equivalente em dinheiro justo ou apropriado pelo que está a venda. Nesse contexto, associamos expressão competência à empregabilidade (qualidade que possui a pessoa que está sincronizada com as exigências do mercado, não necessariamente nos padrões tradicionais de emprego), que soa como sinônimo de exigência de mercado.

A competência à qual estamos nos referindo pode ser definida como um conjunto de características passíveis de observação direta e mensuração envolvendo conhecimento, habilidades e atitudes, que nos levam a predizer o êxito. Cabe, portanto a cada profissional assumir uma postura assertiva, praticando de forma contínua ações de feedback que permita identificar seus pontos fortes e suas oportunidades de melhoria.

No entanto, não se esqueça  “humildade” em ouvir pessoas neutras e perceber novas oportunidades em cada feedback mesmo os negativo.